Minha conta
26/07/2016

TJTO avança em plano de logística sustentável

A medida é uma ação da Diretoria de Informática e do Núcleo de Gestão Socioambiental do TJTO.

O TJTO promoveu em junho a logística
reversa de baterias usadas em computadores

Em empenho de sustentabilidade, o Poder Judiciário do Tocantins promoveu em junho a logística reversa de baterias usadas em computadores, com o envio de 1.4 mil unidades para o descarte ambientalmente adequado em São Paulo. Sem custos para o Tribunal de Justiça (TJTO), a medida é uma ação da Diretoria de Informática e do Núcleo de Gestão Socioambiental do TJTO.

Segundo a coordenadora do Núcleo Socioambiental, Leila Jardim, a implantação da logística reversa é uma das ações previstas no Plano de Logística Sustentável.  A medida busca garantir o reuso e o retorno dos produtos de pós-venda e pós-consumo ao ciclo produtivo, para evitar que novas matérias-primas sejam extraídas da natureza.

“Além disso, o processo logístico reverso contribui para a redução dos impactos ambientais negativos causados pelo descarte incorreto desse tipo de resíduo, evitando prejuízos à saúde humana e ao meio ambiente, uma vez que possui em sua composição alta carga de elementos tóxicos”, explica.

Plano - O Núcleo de Gestão Socioambiental do TJTO foi criado pela Resolução de 22 de agosto de 2015 e tem por objetivo promover a gestão sustentável dos recursos naturais e bens públicos, bem como a redução de impactos negativos gerados no desempenho das atividades administrativas do Poder Judiciário do Tocantins.

O Plano, instituído em portaria no mês de abril deste ano, é instrumento vinculado ao Planejamento Estratégico do Poder Judiciário. É composto de “objetivos e responsabilidades definidas, ações, metas, prazos de execução, mecanismos de diagnóstico e monitoramento, bem como avaliação de resultados, que permite estabelecer e acompanhar práticas de sustentabilidade, racionalização e qualidade que objetivem uma melhor eficiência do gasto público e da gestão dos processos de trabalho, considerando a visão sistêmica” do Judiciário do Tocantins.

 

Fonte: TJTO

COMENTÁRIOS