1 de abril de 2021

Juiz mineiro, associado da Anamages, lança guia inédito de viagem em duas rodas

O Juiz de Direito do TJMG, Carlos Márcio de Souza Macedo e Carla Patrícia, sua esposa.

Com paixão declarada pelo motociclismo desde a adolescência, o Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais (TJMG), Carlos Márcio de Souza Macedo, que ocupa o cargo de Juiz Auxiliar da Corregedoria Geral de Justiça de Minas Gerais, acaba de produzir um guia de viagem inédito sobre o hobby que cultiva há tantos anos, a partir de uma viagem de Esmeraldas (MG) a Machu Picchu, no Peru. A obra reúne dicas preciosas da viagem realizada em 2019 pelo Magistrado e a esposa Carla Patrícia em companhia de um casal de primos. Foram 10.131 km rodados em 26 dias de desafios e aventuras. O Guia de um viajante em duas rodas – exploração duas rodas -, foi produzido pela Editora Almeida.

Magistrado há mais de duas décadas, Carlos Márcio já ocupou o cargo de motociclista profissional em uma empresa de médio porte, demonstrando desde aquele período a sua notável habilidade. Hoje ele é considerado uma grande referência, por ser um profundo conhecedor deste veículo, ao acumular diversos cursos realizados. Seu hobby o levou a colecionar motocicletas de vários modelos e cilindradas distintas. Atualmente, ele mantém dois modelos e dedica o seu tempo de férias em viagens de moto em companhia de sua esposa Carla Patrícia, também motociclista habilitada. O casal já passou por 19 Estados do Brasil e por mais três países da América do Sul, sempre partindo de Esmeraldas. Confira a entrevista:

Anamages: O que o levou a produzir esta obra:

Juiz Carlos Márcio: A produção da obra foi pensada ao longo dos anos. Minha esposa e eu rodamos de motocicleta há muitos anos e ela também é motociclista, embora goste de andar na minha garupa, e atualmente ela tem moto. E a gente já sonhava em fazer essa viagem de Esmeraldas a Machu Picchu, passando pelo Oceano Pacífico, atravessando a cordilheira dos Andes. Foram 10.131 km em 26 dias de viagem. E este sonho foi concretizado em agosto de 2019.

Anamages: O sr levou quanto tempo para escrever o livro?

Juiz Carlos Márcio: O livro é um guia para viajantes em duas rodas, mas não é um daqueles bem pragmáticos. Há todas as dicas próprias para um viajante motociclista no livro, mas elas estão dentro de uma verdadeira história que se desenvolve entre romance e crônica desses 26 dias de viagem, e começa bem antes, na preparação, desde o sonho, desde a decisão, já nos primeiros capítulos. Nós levamos um ano para preparar a viagem, foi mais um casal conosco, um casal de primos. O livro explica como organizar uma viagem em grupo, como preparar as motocicletas, as roupas, travessia de fronteiras, enfim, tudo. Nós pegamos sol de 40 graus no Brasil e -10 graus na cordilheira dos Andes, então temos que estar preparados mesmo.

O sonho foi o alicerce para a produção dessa obra. Eu sempre tive vontade de escrever alguma coisa disso, e surgiu a ideia de escrever um guia diferente de todos os outros guias que a gente já viu. E dentro disto, esse guia tem essa mescla né, que é um guia dissolvido nos capítulos todos da obra. Eu levei um ano para escrever o livro todo.

O Juiz de Direito do TJMG, Carlos Márcio de Souza Macedo e Carla Patrícia, sua esposa.

Anamages: Como o processo se desenvolveu?

Juiz Carlos Márcio: Eu tinha um caderno de anotações, eu tinha um programa com toda uma planilha de viagem já pré-programada, para os dias. Existiram algumas pequenas mudanças, mas existiram por conta do tempo, da temperatura, mas a essência de toda a planilha foi mantida e isso se desenvolve com as anotações diárias. Toda noite eu fazia as anotações em uma agenda com os principais fatos ocorridos naquele dia, para ficarem registrados juntos com as fotos e levarem à conclusão do livro.

Anamages: O livro foi escrito pensado em qual público?

Juiz Carlos Márcio: O público alvo são os viajantes em motocicleta, porque ali eu vou dando dicas de tudo. O livro tem mais de 100 notas de rodapé. Tem dicas sobre como subir na motocicleta, dica de pagar pedágio, porque é o garupa que paga pedágio, como o garupeiro desce da moto, intercomunicador, bluetooth, gps. O guia é pensado em um primeiro momento para viajantes motociclistas, mas acabou que ele se tornou um roteiro. Quem quiser fazer exatamente essa viagem que eu fiz, inclusive de carro, o guia indica hotéis, restaurantes, o que você vai encontrar no hotel, qual o valor da diária para o casal.

É legal que a história se desenvolve e também tem um pouco de romance e crônica. Quando estávamos voltando da Argentina, a minha esposa completou, na minha garupa, 100 mil quilômetros rodados. Quando chegamos ao Brasil eu a presenteei com uma placa que eu encomendei para ela, gravada, registrando esse fato. Já fizemos vários cursos de motociclismo, agora eu farei mais um. Eu sou motociclista desde os 12 anos. Antes de ingressar na Magistratura, em 1997, eu já fui motoboy e entregador de tinta. Adquiri minha primeira motocicleta aos 17 anos de idade.

O Guia de um viajante em duas rodas – produzido pela Editora Almeida.

Anamages: O que o leitor encontrará nesta obra?

Juiz Carlos Márcio: Uma tranquilidade para realizar uma viagem desse porte. É uma viagem difícil de ser realizada, ela demanda cuidados prévios, cuidados durante a viagem, então ele encontrará essas facilidades para todos esses cuidados. Essas dicas permitirão que ele tenha essas facilidades. Como é um romance, ele ainda vai se divertir com aquela crônica e com aquele romance trazido pelo livro. Repito: é um guia diferente dos guias que a gente encontra.

Anamages: Existem outras publicações do sr?

Juiz Carlos Márcio: Eu tenho uma publicação recente, de um poema. Ele foi publicado em um e-book de poemas maçônicos e eu sou um dos autores do livro. Eu falo de maçonaria em tempos de mudança. Eu escrevo pouco, mas gosto de escrever poemas também. E esse da maçonaria foi publicado recentemente no e-book.

Anamages: O que este livro representa?

Juiz Carlos Márcio: Representa muito para nós todos. O livro é meu e da Carla Patrícia, porque não teria o livro se ela não tivesse junto de mim. O livro é nosso. Representa muito para nós. Representa a concretização de um sonho. Representa o que de fato a gente mais sonhava, que era realizar uma viagem dessa envergadura e poder escrever tudo o que aconteceu e trazer para os nossos amigos essas histórias e essas facilidades para que as pessoas consigam realizar essa viagem quando quiserem. Porque não é impossível, pelo contrário. É bem possível e não é difícil. E com ele na mão, se a pessoa quiser fazer exatamente essa viagem, lá terá tudo, desde a roupa que ele precisa comprar, a ferramenta que ele tem que levar, o hotel que ele vai ficar. É só ter o livro! Ele saberá onde vai jantar e o que ele vai comer. Esse livro representa a concretização do sonho de um casal que já está casado há quase 31 anos. Temos dois filhos, uma neta. Casamos novinhos. Carla tinha 19 anos e eu tinha 22. Já temos uma netinha de um ano, então agora temos que andar bastante de moto para poder curtir a vida enquanto assim Deus permitir.