12 de novembro de 2020

Anamages esclarece suposta prisão de pastor envolvendo Juíza de Coroatã (MA)

Diante da inverídica prisão de um pastor de Coroatã, no interior do Maranhão, que resultou em postagens difamatórias envolvendo a Juíza de Direito Anelise Nogueira Reginato, titular da 1ª Vara Criminal da Comarca de Coroatã, a Anamages descortina a verdade dos fatos, esclarecendo o episódio.

No dia 10 de novembro, por volta das 19h20, a Magistrada estava em sua residência, descansando, quando foi surpreendida por um alto barulho produzido por caixas de som em um culto de fiéis, na rua, em frente à sua casa. A Juíza foi até o local e pediu, como uma cidadã, aos integrantes que diminuíssem o volume do som. O pedido foi atendido, mas, momentos depois, o som voltou a perturbar o sossego público. Foi então que a Magistrada acionou a Polícia Militar, como civil, para uma intervenção de modo a garantir a tranquilidade sonora do local.

Após as diligências no local, o pastor da igreja, Natanael Diogo Santos e Rosa Maria Bastos Rocha foram conduzidos à Delegacia de Polícia para lavrar TCO.

Depois deste fato, várias manifestações públicas circularam nos meios informativos locais, afirmando, erroneamente, que a Magistrada tinha prendido o pastor. Até uma senadora teria apresentado ao CNJ uma reclamação disciplinar contra a Juíza a partir apenas dos fatos veiculados.

A Anamages manifesta total e irrestrito apoio à Juíza Anelise e afirma que o departamento jurídico da entidade está à inteira disposição da Magistrada para as ações que sejam cabíveis para conter essas divulgações inverídicas e para eventuais danos que ela tenha sofrido em virtude do fato.

Magid Nauef Láuar

Presidente da Anamages