Minha conta
22/12/2017

Presidente do Conselho Deliberativo da ANAMAGES participa de grupo teatral de juízes baianos

O JustArte, grupo de teatro formado por Juízes de Direito da Bahia, apresentou no último dia 20, em Salvador, a mostra didática “O Homem do Princípio ao Fim”.

A Desembargadora do TJBA, Maria de Fátima Silva Carvalho (centro), que ocupa o cargo de Presidente do Conselho Deliberativo da ANAMAGES, durante a apresentação no último dia 20

Além de atuar ativamente na coordenação do Núcleo Socioambiental do Tribunal de Justiça do Estado da Bahia (TJBA), a Desembargadora Maria de Fátima Silva Carvalho, que preside o Conselho Deliberativo da ANAMAGES, também volta suas atenções a ações culturais. Ela integra o Justarte, grupo de teatro formado por magistrados que apresentou, no último dia 20, a mostra didática “O Homem do Princípio ao Fim”, do desenhista, humorista, dramaturgo, escritor e jornalista, Millôr Fernandes (1923-2012). A apresentação aconteceu no Teatro Sesc Senac Pelourinho, no Centro Histórico de Salvador. O elenco também é formado pela Desembargadora  Nágila Maria Sales Brito, a assessora especial da presidência, Juíza Marielza Brandão, o Juiz Corregedor Alberto Raimundo Gomes dos Santos, a Juíza assessora Angela Bacellar e os Magistrados Darilda Maier, Janete Fadul, Laura Scalldaferri e Nartir Dantas Weber.
O texto consiste em panorama da trajetória humana por meio de um estudo acerca dos mais diversos sentimentos, explorando sua capacidade de criar e destruir. A peça se desenvolve com a inserção frequente de citações de autores consagrados como Shakespeare, Gonçalves Dias, Rubem Braga, Vinícius de Morais, Marcel Proust, Molière e outros.

A atriz Deborah Moreira, que divide a direção artística da apresentação com a atriz Márcia Andrade, explica que a escolha do texto se deu por abordar temas abrangentes. “Estamos trabalhando com um grupo bastante diverso, nos interesses e aptidões. Este texto abarca esta diversidade de uma maneira bem própria”, avalia.

A diretora-geral do projeto também salienta que o fator humano, explorado na peça, também foi um critério levado em consideração para a seleção. Para ela, o principal objetivo do Justarte é humanizar o atendimento jurisdicional. “Nada melhor do que concluir um curso que está vinculado com a sensibilização e ampliação do diálogo, com um texto que está conectado com o humano”, afirma.

O Justarte é um projeto implantado pelo TJBA, na gestão da Presidente Maria do Socorro Barreto Santiago, com o objetivo de promover a iniciação de magistrados no campo das artes cênicas, por meio de jogos teatrais e exercícios de improvisação em relação ao cotidiano.

Colaborou: AMAB.

COMENTÁRIOS