Minha conta
28/03/2018

Bahia é o estado do Nordeste que mais registrou reclamações pelo consumidor.gov

A Bahia foi o estado do Nordeste que mais registrou reclamações pelo serviço Consumidor.gov em 2017. A plataforma permite a interlocução direta entre consumidores e empresas, para solução de conflitos pela internet. A ferramenta é monitorada pela Secretaria Nacional do Consumidor do Ministério da Justiça (Senacon/MJ), Procons, Defensorias e Ministérios Públicos.

O Tribunal de Justiça da Bahia é uma das partes do convênio celebrado com a Secretaria Nacional do Consumidor para a oferta do serviço. No portal dos Juizados Especiais está disponível o link de acesso ao Consumidor.gov.

De acordo com o balanço 2017 da plataforma, divulgado na segunda-feira (26), o Nordeste é a terceira região que mais recorre ao serviço, com 177.294 reclamações registradas. O montante representa 15,9% das quixas feitas em todo o Brasil.

Desta maneira, a região só ficou atrás do Sudeste (49,2%) e Sul (20,4%), entre as regiões que mais demandaram o serviço. No Nordeste, a Bahia foi o Estado que mais registrou reclamações (62.507), seguido do Ceará (36.892), Pernambuco (26.566), Maranhão (13.947) e Paraíba (11.102). Os nove estados da região totalizaram 177.294 reivindicações.

O documento também aponta que 470.748 reclamações foram registradas no Brasil no ano passado. Este número representa 48% das reclamações desde o lançamento do site em 2014. Em 2017, o serviço registrou o acréscimo de 341.585 usuários cadastrados e 54 novas empresas credenciadas.

Com um Índice Médio de Solução de 80,8%, o serviço tem conseguido responder 99,5% das solicitações. O balanço também aponta que as Operadoras de Comunicação concentram o maior número de reclamações registradas (43,3%).

No balanço, estas empresas são seguidas pelos Bancos, Financeiras e Administradoras de Cartão de Crédito (20,4%); Bancos de Dados e Cadastros de Consumidores (14,5%); Comércio Eletrônico (8,0%); Fabricantes de Eletroeletrônicos, Produtos de Telefonia e Informática (3,2%); Transporte Aéreo (2,5%); e Varejo (1,5%).

Não à toa, o Ministério da Transparência e Controladoria Geral da União (CGU) elegeu o Consumidor.gov como o melhor dentre 15 serviços digitais federais, avaliados pela Coordenação-geral de Auditorias de Tecnologia da Informação, no início deste mês.

Uma auditoria realizada pela CGU, entre o começo de 2016 e a metade de 2017, revelou um aumento de 63,16% no número de demandas processadas pelo serviço. De 288.505 no ano retrasado, os atendimentos no portal subiram para 470.750, em 2017. Número que corresponde à quase metade dos mais de um milhão de demandas finalizadas nos quatro primeiros anos de funcionamento do Consumidor.gov.

Fonte: TJBA.

COMENTÁRIOS