Minha conta
02/05/2017

Carta de Tiririca, de João, de Maria e de todo cidadão inconformado com a corrupção.

*Juiz de Direito José Herval Sampaio Júnior.

No último dia 18, uma carta supostamente escrita pelo Deputado Federal Tiririca (PR-SP) movimentou as redes sociais. O texto traz uma crítica aos políticos envolvidos em casos de corrupção e desvio de dinheiro público. Após a repercussão do emocionante discurso, a assessoria de imprensa do deputado informou que a carta não é de autoria dele, mas o manuscrito, sem sombra de dúvidas, representa o sentimento atual do cidadão brasileiro, independente de quem seja, porque ninguém aguenta mais tanta cachorrada e o pior que tais atitudes não deem mais em nada.

 A verdade então é que havendo sido escrita ou não pelo deputado, ela poderia ser atribuída a qualquer cidadão brasileiro indignado com a situação atual da política no país. Na sexta, 28, houve uma greve geral que reuniu diversos setores da sociedade, preocupados com os caminhos para os quais o Brasil está sendo levado. As pessoas foram às ruas não por um partido, candidato ou ideologia, mas sim pra defender diretos garantidos e assegurados constitucionalmente e que é de interesse de todos.

 Não estamos aqui avaliando o mérito de nenhuma delas além do que já dissemos em outros textos, até mesmo porque quanto à da Previdência temos limitação técnica, contudo uma coisa é muito clara, o Governo, legítimo ou não, segundo alguns, não joga com a transparência devida que se requer é um caso como esse.

 Penso que até mesmo o mais radical dos que se colocam contra tais reformas, no fundo sabe que são sim necessárias mudanças neste momento, contudo o problema é como elas serão realizadas! E mais, que além de criticarmos as reformas, apontemos soluções!

 Se você não tomou conhecimento da carta, pode ler abaixo na íntegra:

 “Amigos e Amigas deste Brasil de meu Deus.

Quem escreve aqui não é o palhaço nem o deputado. Quem escreve aqui é o cidadão que está frustrado com tudo isso que virou o país. Como todos sabem eu fiz a minha vida no circo. No circo vivi muitos dias de fome. Dias em que a bilheteria não rendia nem o dinheiro do pão. Dias em que subi ao picadeiro com fome e doente. Houve um dia em que a bilheteria rendeu apenas R$ 32. Éramos um grupo de 41 profissionais. A partilha daria menos de R$ 1 por pessoa. Só que em nosso grupo tínhamos uma companheira doente. Pedi ao grupo que doasse todo o cachê para esta trapezista que precisava de comprar um remédio controlado, que na época custava quase R$ 50. O dono da farmácia compreendeu e deixou que pagássemos o resto quando tivéssemos dinheiro. E assim foi. Honramos nossa dívida e pagamos com o suor de nosso trabalho. Isso é o circo. Lugar que a gente aprende a dividir e se doar. Na política a cada dia vejo que não é assim. Cada um quer tirar pra si. Quanto mais melhor. Não importa quantas pessoas morram de fome ou nos corredores de hospitais. O importante é se eleger na próxima eleição e garantir a boa vida de sua família. O problema não é da Esquerda nem da Direita. A lista da Odebrecht mostrou que tem ladrão dos dois lados. O que está faltando nos políticos não é ideologia, é decência. Está faltando pra esta cambada é entender que eles estão lá pra servir ao povo, e não pra se servir do dinheiro do povo. Infelizmente até muita gente que se elege em nome de Deus chega lá dentro e faz pacto com a ladroagem e a bandidagem. Peço ao Brasil que ore para o Senhor ter compaixão do juiz Sergio Moro e o proteja de todo o mal. Este homem tem que prender todos os bandidos que roubaram a Petrobrás, o BNDES, a Previdência e a esperança dos brasileiros. Um dia minha mãezinha me disse: 'Filho, os injustos não herdarão o reino de Deus. Eu preciso ter você comigo na eternidade. Faça o que quiser de sua vida mas lembre-se que eu preciso de você comigo no Céu'. Por Deus, por minha mãezinha e pelo povo brasileiro eu sou o mais honesto possível. Só não estou conseguindo 'amar o próximo', a minha vontade é esganar estes canalhas. Mas 2018 está bem perto. O povo precisa fazer uma limpeza geral da classe política. Não adianta a Justiça condenar se o povo absolve. Fiquem com Deus!!!"

Se você se emocionou, se identificou e sente que poderia ter escrito essa carta, é porque você, assim como eu, não aguenta mais ver tanta corrupção e impunidade e quer, urgentemente, fazer algo pra mudar a história desse país. E como podemos fazer isso? Votando correto, fiscalizando e denunciando as atrocidades que muitas autoridades fazem com o dinheiro público que deveria servir à coletividade, em especial aos mais pobres e na realidade vai para o bolso de muitos poucos que esbanjam em coisas banais e supérfluas, matando milhares de brasileiros por falta de atendimento básico em saúde e agora com uma violência que nos torna refém em nossas próprias casas.

 Será que se não tivesse tanto desvio de dinheiro público, não teríamos um melhor serviço público de saúde e segurança por exemplo?

 Muitas vezes nos filmes vemos os vilões cometendo crimes e podemos distinguir claramente eles dos mocinhos, o bem e o mal. Mas na vida, aquela pessoa que reclama da corrupção dos políticos e protesta nas ruas é a mesma que suborna o guarda de trânsito e aceita presentes em troca de voto.

 Tenho batido nessa tecla e sou sempre mal compreendido e continuarei nessa linha, porque os nossos políticos e demais autoridades nada mais são do que o reflexo de nós mesmos!

 Se você se indigna com a atitude dos políticos, mas age com naturalidade, na realidade sem perceber você comunga com a atitude dele. Por isso, mais uma vez bateremos nessa tecla por mais que sejamos chamados de chato: precisamos nos autofiscalizar enquanto cidadãos e eleitores e depois fiscalizar nossos representantes. Só assim poderemos pensar em um Brasil mais correto.

 Eu particularmente, independente da minha peculiaridade de ser Juiz e não palhaço e nem deputado, queria ter sido o autor dessa carta e como não fui e nem apareceu o dono, a subscrevo na esperança de cada um dos que leem esse pequeno texto também assim proceda e passe a agir diferente em todos os atos de suas vidas, porque só assim nossos filhos e netos poderão conviver com um Brasil menos corrupto e qualquer avanço nesse sentido já é algo a ser comemorado pelas futuras gerações.

Viva a cidadania, maior expressão da democracia!

*É Conselheiro da ANAMAGES do Rio Grande do Norte.

COMENTÁRIOS